Diversos

“O Parque Florestal…”

          

Habituei-me, desde muito pe­queno, à beleza ímpar do Par­que Florestal de Vieira! Os meus olhos, desde essa altura, aprenderam o significado de policromia. Por outras palavras, foi ali que aprendi o modo como a natureza ia pin­celando e matizando, com as mais variadas cores, cada pe­daço de chão, cada pétala de flor, cada folha de árvore…
A cada estação do ano, as respectivas cores… Se na Primavera as cores eram vivas e garridas, no Outono, deixavam-se esmaecer e tornavam-no fulvo e amarelecido, a despertar uma nostalgia romântica… E nem quando o In­verno o fustigava, expondo-lhe a nudez dos troncos e ramos das árvores, nem assim lhe roubava aquela beleza inefável!
E que alegria quando o Pro­fessor de Português, o aço­riano Mendonça, nos dizia:
- Meninos, hoje a aula é ao ar livre, vamos para o Parque…


Outras vezes, íamos, com o Professor de Desenho, apanhar folhas caídas, para depois as desenharmos numa fo­lha em branco; ou as ines­que­cíveis aulas de ginástica no rinque de cime ...

A sua assinatura expirou, ou não está autenticado!
Escolha agora uma assinatura; ou se é assinante, autentique-se para ler artigo completo.

Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário