Diversos

A pobreza que nem o próprio reconhece

          

Na primeira metade do século passado havia, como hoje, muitos pobres. Diferiam dos de hoje, porque tinham mais capacidade de aceitar adversidades. Riam e sorriam, com naturalidade.
A luta por melhores condições de vida é legítima e se a travamos para ajudar os outros, a viver com dignidade, é ato de caridade.
Mas quando essa “luta”, deixa de ser pacífica, travada através do diálogo, da transparência, da colaboração e cooperação de todos, em lugar de nivelar, acaba por fraturar e aprofundar os desníveis existentes.


As causas da pobreza sofrida a nível mundial, são naturalmente diversas. As do meu País, vou-as conhecendo.
A Revolução, que terminou com uma longa ditadura, fez acreditar numa ...

A sua assinatura expirou, ou não está autenticado!
Escolha agora uma assinatura; ou se é assinante, autentique-se para ler artigo completo.

Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário