Do Cávado ao Ave

VILAR CHÃO

Sociedade Filarmónica recebe oferta de viatura

          
VILAR CHÃO

As comemorações do 189º aniversário da Banda de Vilarchão foram marca­das pela oferta da viatura do sócio Cesário Brás, um “vi­larchoense dos sete costados, um homem econo­mi­camente rico, mas mul­ti­mi­­lionário em generosidade, bairrismo, bonomia e amor a Vilarchão”.
Como de costume as ce­ri­­mónias iniciaram-se com a visita ao cemitério, em prei­to de homenagem e gra­­tidão aos músicos falecidos, e nela tomaram parte o presidente da Câmara Mu­­nicipal, António Cardoso, a esmagadora maioria dos músicos, formandos e formadores da Escola de Mú­sica da Sociedade Filarmónica de Vilarchão, seus familiares e muitos vilarcho­enses que vêm na sua Banda de Música o “Brasão iden­titário” de Vilarchão.


Seguiu-se a Santa Missa em honra de Santa Cecília, presidida pelo Padre João La­­meiras e cantada pela Banda Filarmónica e pelo seu coro. No final, com a per­­­­missão e a convite do se­­nhor Padre João, uma vez que chovia bastante, ainda dentro da igreja, usou da palavra o presidente da Assembleia Geral, o Tenente Coronel Manuel Pinto da Costa, que depois de saudar as autoridades políticas, religiosas, músicos e con­ter­­râneos presentes, apresentou a história da Banda. “Neste processo de crescimento e aperfeiçoamento, hoje temos uma Banda Filarmónica com cerca de 50 elementos, um coro com mais de uma dúzia de can­to­­ras, uma Escola de Formação musical com 35 for­mandos e muito mais! Tudo, fruto destas raízes profundas de quase dois séculos, que nos carregam com a res­ponsabilidade de levar por diante este saber an­ces­tral, propiciador à criação de mentes sãs e pro­mo­­tor de ocupações saudáveis para crianças, jovens e adultos, e que nos incute a vontade indómita de em ca­da dia fazermos mais e me­lhor pela arte da música e pelo nome da nossa terra.
Quem tem orgulho de ser de Vilarchão ou de gostar desta terra, sente a sua Banda de Música, como uma espécie de segundo co­ração, que, tal como o bio­lógico, não pode parar de bater. Foi este, o sentimento do nosso sócio Ce­sário Brás, que ofereceu a via­tura à Sociedade Filar­mó­nica de Vilarchão. É mais um gesto significativo dessa sua grandeza de Al­ma, mas não apenas da sua, é também a prova que, na sua caminhada familiar teve a bênção de ser acompanhado por pessoas de igual estirpe e de nobres e fraternos sentimentos, refiro-me em concreto à sua es­posa e filhos.
Irei propor, em futura reunião da Assembleia Geral, a atribuição dum voto de lou­vor e agradecimento e do título de Sócio Benemérito da Sociedade Filarmónica de Vilarchão, ao Ce­sá­rio Braz”.
O presidente da AG anunciou o início de obras da Sede e Casa da Cultura de Vilarchão, um projeto já es­tá em fase de arranque, graças à feliz conjugação de boas vontades, de vilar­choenses generosos, da Direção da Sociedade Filarmónica, da Fábrica da Igreja, da Comissão de Baldios de Vilarchão, da União de Freguesias de Vilarchão e Anjos, da Arquidiocese de Bra­ga e da Câmara Municipal de Vieira do Minho.
No adro da igreja foi benzida pelo Rev. Padre João Lameiras, visivelmente emocionado com este acto de generosidade da viatura oferecida.
Da parte da tarde, no cam­po de Tiro, decorreu o “comes e bebes”, e foram entregues diplomas de louvor atribuídos a José Manuel Luís da Costa e Nelson Ma­nuel da Costa Rebelo, “pelo seu excepcional desempenho e amor à Banda de Vi­larchão”.
Seguiu-se um convívio ani­mado com muita música pelo meio, brincadeiras e conversas sadias entre todos. Antes da cerimónia do partir do bolo de aniversário e o cantar dos parabéns, foram entregues diplomas a todos os 35 alunos das várias classes de aprendizagem e às 12 for­mandas do grupo coral, pelos respectivos formadores, sob a supervisão do Director Técnico e Maestro, Edu­ar­do Carvalho.
2019-11-27


Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário