Entrevistas

O ponto da situação do Vieira SC

          
O ponto da situação do Vieira SC

Várias equipas do Pró-Nacional já têm planificada a próxima época. O Vieira SC não se mostra preocupado e o seu presidente Pedro Araú­jo não abriu o jogo.


JV- A época anterior já está saldada em termos financeiros?
 Pedro Araújo- No que diz respeito às contas da época 2019/20, há valores por liquidar, resultantes da redução muito significativa de receita. O plantel da época anterior foi composto por pessoas sensatas que compreenderam muito bem a si­tuação que assolou o Mundo. Posso acrescentar que tivemos jogadores e membros do staff de apoio que abdicaram dos valores que tinham a receber!
 
JV- Para fazer face às “receitas do aniversário e dos jogos” a direção que apoio teve?
 P. A.- A direção do Vieira SC planificou a época 2019/20, à semelhança das ante­rio­res, de forma muito rigorosa, tendo por base a receita e a despesa, previstas e/ou garantidas.
A não realização do jantar de aniversário, assim como a não realização de vários jogos, foram um duro revés nas nossas contas. Para um clube que recentemente saiu de um processo de insolvência e que se tenta reerguer, não é fácil gerir esta situação!
Há que realçar no entanto que a situação que vivemos e iremos viver nos próximos tempos é espe­cial­me­nte anó­mala e exigente, o que nos obriga a todos, enquanto cidadãos, a definir priori­da­des e, o bem-estar de todos, é prio­ritário! Consideramos bem mais impor­tante cuidar e apoiar quem mais precisa do que apoiar! Sempre  tivemos o apoio do Mu­ni­cípio de Vi­ei­ra do Minho, dos sócios e de vários em­pre­­sários, enquanto parceiros comerciais, ao longo destes últimos 4 anos, mas neste momento entendemos colocar-nos nós à disposição da sociedade para colaborar da forma que pudermos, tendo em vista resolver situações que necessitem de apoio. Haverá, num futuro próximo, tempo para voltarmos ao futebol, com a força e a alegria que todos merecem!”.
 
JV- O encerramento  antecipado das competições das camadas jovens que constrangimentos trouxe?
 P.A.- Além dos financeiros, apontaria os constrangi­mentos com a nossa formação e as questões sociais.
É, sem dúvida alguma, a nossa maior tristeza o fato de não podermos ver os nossos me­ninos a fazerem o que mais gostam… Sei que as saudades do relvado, do con­­vívio com os amigos e dos jogos, onde defendem as cores de Vieira do Minho e do Vi­ei­ra SC, são imensas. Fica aqui a garantia aos cerca de 200 atletas da formação que tudo faremos para vos podermos ver novamente no Estádio, com o vosso sorriso que nos enche de orgulho e alegria!
 
JV- Como está a situação dos três estrangeiros: Lukman, Caio e Bu­bikati?
P.A.- Lukman e Caio vão continuar connosco. O Abou­­­­bacar Katty deverá abraçar um projeto num clube da primeira liga, nas equipas mais jovens.
 
JV- A equipa técnica li­de­rada por Roger Bastos é para continuar? 
P.A.- Tudo faremos para que tal aconteça! São guerreiros, verdadeiros lutadores e companheiros nesta luta.
 
JV- Jogadores já anunciaram a saída do clube?
 P.A.- No que diz respeito ao próximo plantel, assim que possível iremos avançar para a construção do mesmo.
2020-05-28


Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário