Política

PS de Vieira do Minho celebra Abril com conferência digital

          
PS de Vieira do Minho celebra Abril com conferência digital

O PS de Vieira do Minho, apesar de todas as contingências provocadas pela pan­demia COVID-19, fez questão de celebrar o 46° aniversário do 25 de Abril de 1974 ao promover uma conferência digital com o tema “Liberdade e Democracia nos tempos que vivemos”.


A conferência contou com a participação de oradores como a eurodeputada Isabel Estrada Carvalhais, o Prof. Armando Ferreira e o Prof. Marques Fernandes, ex- deputados da Assem­bleia Municipal de Vieira do Minho que abordaram, entre outros, “temas importantes para a sociedade co­mo o crescimento dos partidos radicais, e a forma como estes poderão colocar em causa os valores de Abril, o impacto que a atual pandemia pode ter na erosão das liberdades e garantias no nosso país e a forma como o maior empregador do Concelho ser o Município contribui para colocar em causa a liberdade das pessoas”.
Na sua intervenção, a Eu­rodeputada, a propósito do crescimento dos partidos “populistas e extremistas”, classificou estes partidos como “oportunistas pois só surgem nos momentos de maiores dificuldades fazendo recurso a um discurso simplista, emotivo e bem estruturado, que vai de encontro aos anseios das populações mais desamparadas em temas como o desemprego e a falta de perspectivas de crescimento económico”. Segundo Isabel Carvalhais, “na última década têm sido dadas algumas oportunidades a estes partidos mas o seu crescimento está dependente daquilo que serão as repostas dos governos dos países democráticos e das instituições Europeias relativamente ao que são os anseios das populações”.
No decorrer da conferência, o Prof. Armando Fer­reira referiu que não acredita que a pandemia possa colocar em causa as liberdades e garantias no nosso país. “António Costa tem a responsabilidade de colocar em prática o legado do PS, que é o legado do hu­ma­nis­mo, da social-democracia, da tolerância e até o da preocupação com os outros, o chamado estado-pro­vi­dência.”
Questionado acerca do “facto de o Município ser o maior empregador local e daí poder advir o condicionamento da liberdade das pessoas”, Armando Ferreira referiu que “estando em cau­sa o direito à propriedade, está em causa a liberdade das pessoas” e que “o desemprego gera precariedade, exclusão social e sofrimento e, sem o emprego, a tal propriedade, a pessoa perde a liberdade de pensar, falar e agir e muitas vezes entra numa situação de subserviência” terminando por referir que esta situação de precariedade que se vive em Vieira do Minho obriga as pessoas a obedecer a quem tem o poder e não à lei. À mesma questão, o Prof. Marques Fernandes referiu que essa realidade é “um risco que pode condicionar a liberdade e o exercício da cidadania” mas que “pode não ser fatalmente um perigo para a democracia e a li­­berdade” pois “tudo depende do facto dos gover­nan­tes serem, ou não, ge­nui­­namente democratas”. Marques Fernandes não deixou de elogiar e dar os parabéns ao PS de Vieira do Minho por “resistir apesar de ser, muitas vezes, maltratado e desrespeitado nas reuniões de Assembleia Mu­nicipal e Câmara Municipal”.
O PS local classificou esta conferência “como esclare­cedora da importância de mantermos vivos os valores de Abril e da necessidades de estes serem transmitidos de geração em geração”, agradecendo a todos que, através das redes sociais, assistiram e colocaram ques­tões que muito contribuíram para o enriquecimento do debate.
2020-04-30


Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário