28 de Agosto de 2014



    1 Página
    Editorial
    Do Cávado ao Ave
    Autarquia
    Igreja
    Educação
    Reportagem
    Desporto
    Política
    Opinião
    Entrevistas
    Diversos

   Contactos Úteis
   Arciprestado
   Ficha Técnica
   Contactos
   Estatuto Editorial




Você é o visitante: 1930381

IV ACANUC na serra da Cabreira

Acampamento de Escuteiros do Núcleo de Vieira do Minho

Vieira Sport Clube na época das bodas de ouro quer festejar com a manutenção no CNS

Arquidiocese de Braga com 4 neo-sacerdotes

Arcebispo recomenda uma pastoral “agrícola” e não “industrial”

D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, ordenou quatro novos sacerdotes, no passado dia 20, perante uma assembleia de fiéis reunida na cripta da Basílica de Nossa Senhora do Sameiro.
Na homilia, o Arcebispo referiu que os sacerdotes não podem assumir uma atitude “meramente profissional”, mas devem ser “verdadeiramente sacerdotes” na “fidelidade a Cristo”, a única que pode revelar “a verdadeira identidade sacerdotal”.
Para o arcebispo primaz de Braga, herdeiro do pálio do seu predecessor, Beato Frei Bartolomeu dos Mártires, as ordenações sacerdotais de Adão Ricardo, José Pedro, Nuno Jorge e Rui Manuel constituíram “um dia de grande júbilo para a Arquidiocese”. “É maravilhosa a nossa vocação só que implica atitudes muito concretas através dum estilo de vida exigente e coerente”, revelou D. Jorge Ortiga que pediu aos padres da Arquidiocese de Braga que vivam e hajam como se fossem o próprio Cristo porque “só a fidelidade a esta verdadeira identidade” os tornam felizes.
O actual arcebispo de Braga recorrendo às parábolas bíblicas da semente e do semeador, do trigo e do joio, e ainda à vida e obra de D. Frei Bartolomeu, no seu livro “Estímulo dos Pastores”, sublinhou: “O nosso coração deve procurar imitar o dos pastores da terra, os quais passam muitas vezes em claro as noites de inverno, ao frio e à chuva, só para que uma ovelha, talvez pouco útil, não se perca.” E recomendando aquilo a que chama “uma pastoral agrícola e não pastoral”, D. Jorge apontou o “defeito muito grande do clero, talvez fruto da forte industrialização desta zona minhota, muitas vezes a nossa mentalidade formata-se numa pedagogia industrial, assente num binómio sequencial de ‘produção‘– facturação, enquanto que as parábolas do evangelho apontam para outra pedagogia: a pedagogia agrícola, assente na consequência temporal de semear, regar, podar, deixar crescer e só depois colher os frutos”, recomendou D. Jorge.
Para além de –“mais de um milhar de fiéis” e inúmeros sacerdotes, segundo o site da arquidiocese de Braga, também estiveram presentes, nas ordenações sacerdotais, o novo bispo auxiliar D. Francisco Senra Coelho, o bispo de Aveiro, D. António Moiteiro, e o bispo das Forças Armadas e Segurança, D. Manuel Linda.

Para o arcebispo primaz de Braga, herdeiro do pálio do seu predecessor, Beato Frei Bartolomeu dos Mártires, as ordenações sacerdotais de Adão Ricardo, José Pedro, Nuno Jorge e Rui    (+)

Centro Cultural Sénior

Com módulos novos na área das letras, das artes e da história

     
 Login
 Password 
  Assinaturas
  Recuperar password
     
     
Edição
     
  CLASSIFICADOS