Destaques

Francisco pede “sabedoria e prudência” sobre Jerusalém

No fim da Audiência Geral de quarta-feira (06/12), na Sala Paulo VI, o Papa fez um apelo em prol da cidade santa de Jerusalém: 
“Não posso silenciar a minha profunda preocupação pela situação que se criou nos últimos dias e, ao mesmo tempo, dirigir um forte apelo para que seja compromisso de todos respeitar o status quo da cidade, em conformidade com as pertinentes Resoluções das Nações Unidas. Jerusalém é uma cidade única, sagrada para os judeus, os cristãos e os muçulmanos, que nela veneram os Locais Santos das respectivas religiões, e tem uma vocação especial à paz. Peço ao Senhor que esta identidade seja preservada e reforçada em benefício da Terra Santa, do Oriente Médio e do mundo inteiro e que prevaleçam sabedoria e prudência, para evitar acrescentar novos elementos de tensão num panorama mundial já turbulento e marcado por inúmeros e cruéis conflitos .”



Encerramento da caminhada mariológica no Arciprestado

A Mensagem de Fátima, um pouco esquecida por toda a parte, foi reavivada no Arciprestado, através da Peregrinação da Imagem de Nossa Senhora, por todas as paróquias e que culminou no passado dia 14 de Outubro, com a benção das imagens do Coração de Jesus e do Coração Imaculado de Maria e a consagração do Arciprestado a Jesus e a Maria.
Esta caminhada, que se pretendeu geradora duma “memória ativa”, foi acompanhada por uma ação de formação, preparada e orientada em todas as freguesias, pela Liga Eucarística.
O trabalho de preparação, encerrou no II Domingo do Advento na Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, sede do Concelho numa cerimónia muito simples mas cheia de significado.
O encerramento previa a Consagração do Concelho, Instituições Administrativas com seus representantes, as pessoas, a terra com toda a criação, seres que nela vivem: animais e plantas, recursos, naturais como água e florestas.


ROSSAS

Na nota enviada à nossa redacção, o actual executivo da Junta de Freguesia de Rossas, dá conta de uma situação financeira grave. “O anterior executivo deixou dívidas de valor superior a 15 mil euros e com o saldo na conta de pouco mais de trezentos euros”.
Armando Alves, presidente da Junta, diz que a junta tem a receber a quantia de 7 mil euros de alguns protocolos estabelecidos, “no entanto, até à data ainda não conseguimos receber essa verba”. Verbas essas que não chegam para suportar as despesas até ao final do ano e até lá a junta fica sem capacidade financeira para poder fazer face às despesas correntes do dia-a-dia, nomeadamente o pagamento de salários, despesas de luz e combustível, entre outras. A nota dá conta que não foi entregue qualquer documento de prestação de contas, desconhecendo-se o nível de execução orçamental e perante esta situação o actual executivo decidiu pedir uma auditoria às contas da Junta anterior e desta forma tentar perceber a real situação financeira.


Novo Centro de Saúde: prioridade do Executivo

A Câmara Municipal de Vieira do Minho vai gerir no ano de 2018 um orçamento da ordem dos 16 milhões de euros.
O Plano de Actividades e Orçamento foi aprovado em reunião do Executivo realizada no passado dia 22 de Novembro com a abstenção das duas vereadoras PS.
O executivo elegeu como grandes prioridades das políticas municipais para o próximo ano, o emprego, a educação, a ação social, o turismo, o desenvolvimento económico a requalificação urbana e a saúde.
Em nota introdutória às opções do Plano Orçamental, o presidente da Câmara, António Cardoso, salienta  que “este Executivo propõe-se uma vez mais a atingir uma meta de desenvolvimento e sustentabilidade económica baseada nos princípios da responsabilidade e da transparência”, prosseguindo o caminho iniciado em 2013 e comprometendo-se “a diminuir à dívida e a intensificar as parcerias com as Juntas de Freguesia e as Instituições Locais.”


A missa não é espectáculo

O Papa Francisco voltou a criticar comportamentos que fazem da Missa um “espetáculo” e, depois de há uma semana ter pedido o fim dos telemóveis na celebração, apelou esta manhã ao silêncio na assembleia. “Quando vamos à Missa, às vezes chegamos cinco minutos mais cedo e começamos a bisbilhotar com quem está ao nosso lado. Mas não é o momento de bisbilhotar, é o momento do silêncio para preparar-se para o diálogo, é o momento de recolher-se no coração para preparar o encontro com Jesus”, apelou, na segunda catequese do novo ciclo de reflexões semanais sobre a Eucaristia.