Diversos

Cuidadores informais

          
Cuidadores informais

Em Portugal continuam a escassear os estudos de grande escala que analisem a interdependência entre o cuidador e a pessoa cuidada em termos econó­mi­cos, sociais e de saúde. O Estado tem-nos ignorado e a aprovação do estatuto do cuidador informal continua na gaveta do esquecimento.
A estimativa da Euro­Ca­rers, uma rede de organizações a nível europeu, aponta a existência use 827 mil cuidadores informais em Portugal: esquecem-se de si, trocam as voltas à vida, deixam o emprego para cuidar dos pais, filhos ou cônjuges.
A temática dos cuidados informais, nos últimos anos tem sido bastante debatida, desde os impactos que esta tarefa pode ter do ponto de vista individual e familiar, até aos seus contornos do ponto de vista político, económico e social. Em particular, destaca-se a discussão parlamentar para a criação do Estatuto do Cuida­dor Informal e que a par disso tem trazido para o debate público uma questão central: quais as necessidades dos cuidadores e das pessoas cuidadas, e que apoios recebem do Estado estes cuidadores informais que na maioria dos casos trabalham 24 horas por dia e 365 dias por ano?


Sabe-se que a existência de cuidadores informais, em particular aqueles que têm a seu cargo pessoas ido­sas, está associada a um menor risco de eventos ad­versos como quedas, hospi ...

A sua assinatura expirou, ou não está autenticado com o seu login e password!
Clique para escolher uma assinatura; ou no caso de já ter uma assinatura por favor autentique-se com o seu login e password.


Comentários

Comentar esta notícia

Nome

Email

Comentário


Verificação de palavras
Escreva os caracteres que vê abaixo
LV9Z3


    

Ainda ninguém comentou esta notícia!