Igreja

O dever de não escutar

É um dever cívico ouvir os outros; é um dever mo­­ral acolher! Criar “comuni­da­des acolhedoras”, começa a sentir-se co­mo um preceito. Mas, se não devemos escutar?!
Perante tanto assédio agres­­­sivo de seitas, eu tenho de concluir que chegou a ho­ra de refletir nas conse­quên­cias de nos termos tornado im­­prudentemente e excessivamente “educados”.
Sem querermos, (tenho a certeza), encorajamos as seitas cuja doutrina rejeitamos, a tornarem-se agressivas na imposição das suas crenças.
Muitas pessoas que se sen­tem católicas, por tradição fa­mi­­liar, vão enfraque­cen­do e até perdendo a fé, tal é a igno­rân­cia e confusão de ideias que um proselitismo im­po­si­ti­vo, torna impossível um ra­cio­cínio livre e inteligente.
São horas de avaliar os es­tragos feitos nas nossas comunidades, pelos zeladores de seitas que não servem os interesses de paz, de justiça, de liberdade, de amor.


O Papa Francisco e Ahmad Al-Tayyeb, assinam declaração histórica

Terminou a viagem apostólica aos Emirados Árabes Uni­dos que o Papa Francisco realizou entre os dias 3 e 5 de Fe­­vereiro. Uma viagem histórica, já que ao longo dos dois mi­lénios de cristianismo nunca um Papa havia visitado um país árabe do Golfo Pérsico.
O Papa Francisco e o grande imã de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb, assinaram, em Abu Dhabi, uma Declaração que condena o terrorismo e a intolerância religiosa e que o Vaticano considera “histórica”.
“Pedimos a todos que deixem de usar as religiões para incitar o ódio, a violência, o extremismo e o fanatismo cego, e que se abstenham de usar o nome de Deus para justificar atos de assassinato, exílio, terrorismo e opressão”, re­­­fere o documento sobre a fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum.
O texto, divulgado durante um encontro inter-religioso promovido nos Emirados Árabes Unidos, parte da “crença comum em Deus”, que “não precisa ser defendido por nin­guém e não quer que o seu nome seja usado para ater­­­rorizar as pessoas”.


Viagem do Papa a Marrocos

A Assessoria de Imprensa da Santa Sé apresentou o logotipo da viagem que o Papa Francisco fará ao Marrocos de 30 a 31 de março de 2019 e a explicação desta visita apostólica.
Primeiro, o logotipo mostra uma cruz e meia lua - a cruz cristã e a meia lua muçulmana - que mostram a di­mensão do encontro de diálogo inter-religioso entre cristãos e muçulmanos na participação do Papa Francis­co e do líder dos crentes em Rabat, 800 anos depois do encontro de São Francisco de Assis com o sultão.



Carpe Diem

Lê-se na Bíblia que “cada coisa tem o seu tempo”.
Na vida compassada também é assim: tempo para ser criança e tempo para ser idoso; tempo para viver e tempo para morrer; tempo para semear e tempo para colher. Tempo para tudo!
O homem inventou o relógio para marcar o instante que é a vida ritmada ao sabor do calendário. E nem o calendário nem o relógio conseguem responder à pergunta:
- “Que coisa é o tempo?”
Perguntaram a Stº. Agostinho e ele respondeu:
- Se não me perguntarem, eu sei; mas se me perguntarem, não sei!
Eis o mistério que envolve a nossa vida fugaz, passagei­ra, contada pela idade que o relógio traduz. Desde que nas­­­ce­mos que o relógio nunca parou! E ele irá continuar a ser re­ferência até ao Fim dos Tempos - Ap. 21, 2-5.


Braga cidade “Segundo Melhor Destino Europeu” aguarda 100 mil visitantes na Semana Santa

A cidade de Braga, recentemente eleita segundo Melhor Destino Europeu para visitar em 2019, espera voltar a encher as suas ruas, com mais de cem mil visitantes, entre os dias 14 e 21 de Março, para assistirem ao vasto programa cultural e religioso das celebrações da Semana Santa.


Falecimento do Cónego Fernando Monteiro

O Padre Fernando Tei­xei­ra Alves Monteiro, có­nego do Cabido da Sé de Braga, na­tural de São Bartolomeu do Rego, concelho de Ce­lo­­­rico de Basto, arci­pres­ta­do de Fafe, faleceu em 16 de Janeiro aos 73 anos.
A missa de corpo presente foi celebrada na tarde do dia 17, após as exéquias na Ca­tedral de Braga, partici­pa­­da por muitos fiéis, sacerdotes e quatro bispos, tendo ido a sepultar no cemité­rio da sua terra natal.



D. Nuno Brás novo bispo do Funchal

O bispo D. Nuno Brás da Sil­­va Martins, auxiliar de Lis­­boa desde 2011, foi no­mea­do pelo Papa Fran­cis­co titular da diocese do Fun­chal, em 12 de Janeiro, su­bs­tituindo, no próximo dia 17 de Fevereiro D. António Car­rilho, desde há doze anos prelado da Madeira e que pediu dispensa por limi­te de idade determinado pe­lo Direito Canónico.