Igreja

Os “segredos” de Fátima

«Vais ajudar-me não vais? Tenho a certeza que sim, porque tu amas-me muito»: Desolação, fragilidade e fé no “Correio de Fátima”.
O Santuário de Fátima preserva «oito milhões de segredos», «mensagens guardadas ao longo de décadas em que os devotos falam de guerra e paz, fé e descrença, amores proibidos, saúde e dinheiro, pais que se de dão mal… Fazem-no como quem conversa com a amiga mais íntima».
Ler mais


“Dois papas”: Podia inspirar-se numa história verdadeira. Mas não

“Habemus papam”, de Nan­­ni Moretti, é um filme com uma ideia original, até profética: a de um papa que hoje, não há séculos, possa re­nunciar à sua missão por não se sentir adequado a ela. Ideia que, menos de dois anos após a saída do filme, se realizou com a re­nún­cia, de surpresa, de Bento XVI, ainda que em condições diferentes, porque na película do cineasta italiano o pontífice decide sair poucos dias após a eleição. Ratzinger, como é sabido, renunciou ao papado depois de quase oito anos de governo, com o avançar da idade e sentindo o declínio das forças físicas.
Ler mais


Palavra e Vida

A Igreja propõe-nos, ao iniciarmos o Tempo Comum, uma reflexão sobre a vocação, o caminho de felicidade pro­posto por Deus para cada um de nós, a forma de o co­nhecermos, de o irmos retificando e tornando-o realizá­vel, segundo o modelo que nos foi dado pelo Senhor Jesus.
O Salvador já tinha sido prometido através dos Profetas. Estes já tinham apresentado as caraterísticas da sua mis­são. Isaías falou claramente da Luz que iluminaria tu­do o que estava nas trevas, o que estava oculto aos homens, porque os seus corações ainda não possuíam o co­nhe­cimento, a sabedoria de Deus.
Ler mais


Adorar é “dobrar os joelhos”

De pouco ou nada servem a teologia e a ação pastoral, se não se dobram os joelhos»

«Adorar é ir ter com Jesus, não com uma lista de pedidos, mas com o único pedido de estar com Ele»: a primazia do louvor totalmente confiado a Deus sobre o conhecimento teórico que se adquire sobre Ele foi um dos pontos sublinhados da homilia do Papa Francisco na missa da Epifania, celebrada no Vaticano.
Só a decisão pessoal de se voltar confiadamente para Deus e renunciar ao centra­lismo nos seus interesses – porque a adoração é «fazer o êxodo da maior escravidão: a escravidão de si mesmo» - pode «desintoxicar de tantas coisas inúteis, de dependências que aneste­siam o coração e estonteiam a mente».
Ler mais


Fim da Rádio Sim

O presidente do Conselho de Gerência do Grupo Renas­cen­ça Multimédia, disse à Agência ECCLESIA que a descontinuação das “não foi nem é uma decisão fácil”, admi­tindo compreender “os sentimentos de desacordo”.
“Em causa está um processo que tem de ter presente as respostas dos colaboradores às propostas que lhes foram feitas, que ainda estamos a analisar, e os auditórios das várias rádios do Grupo Renascença”, assinalou D. Américo Aguiar, bispo auxiliar de Lisboa.
O responsável mostra-se disponível para levar em consideração os pronunciamentos que têm surgido a respeito da decisão, num processo que se encontra em curso.
“Foi anunciada a descontinuidade da rádio, significando um caminho a cumprir com várias frentes e prioridades, em primeiro lugar os colaboradores”, precisou.
Ler mais


Palestra do clero e convívio natalício

Com a presença de todos os párocos reuniu, no último dia do ano, na estância turística Pousadela Village, em Lou­redo, o clero do arciprestado de Vieira do Minho.
Ler mais


Batizar as crianças é um «ato de justiça», diz o Papa

O Papa presidiu na Capela Sistina do Vaticano, em 12 de Janeiro, ao Batismo de 32 bebés, filhos de funcionários do Vaticano, e pediu aos seus pais que os eduquem na fé católica, a partir do “exemplo” de casa.
“Batizar um filho é um ato de justiça, para ele, porque nós, no Batismo, damos-lhe um tesouro, um penhor, o Espírito Santo”, declarou, numa breve homilia, improvisada.
Francisco sublinhou que, após a celebração deste Sacramento, “a criança sai com a Espírito Santo dentro de si, que o defenderá e ajudará durante toda a sua vida.
Ler mais


Palavra e Vida

Iniciamos o ano com o convite a refletir sobre o desejo que dia a dia, e a cada momento, vai justificando os nossos atos, impondo-nos escolhas. O desejo da paz, a sua procura, o receio de a perder, é comum a todo o ser humano, crente ou ateu.
No primeiro dia do ano, ao contemplar o mistério da Maternidade divina de Maria, podemos compreender melhor o modo como Ela se associou desde o seu “Fiat”, à obra redentora de Cristo.
Ler mais


Religiosa portuguesa há 70 anos no Vaticano

O jornal L’Osservatore Romano, na sua edição de 3 de Dezembro, pág. 24, publicou a história da Irmã portuguesa Maria do Céu Pereira, nascida em 1929 no Norte de Portugal e que já conheceu e serviu sete Papas.
Para celebrar seus 90 anos, no dia 2 de Dezembro, ela participou da missa celebrada pelo Papa Francisco na capela da Casa Santa Marta.
Ler mais