50 Anos Jornal de Vieira  1972 - 2022

Opinião

BICADAS DO MEU APARO

A China e a madeira queimada

Contactou-me há dias o meu amigo, Manel da Cerca. Confessou-se desanimado com os políticos do país e, revoltado, até citou um pensamento de Pessoa: “Estamos fartos de tudo e individualmente fartos de estar fartos”.
Procurei atenuar a revolta do Manel e afirmei-lhe que também procuro respirar entre os maus odores existen­tes, e como ele, em clima de de­sacreditação, de espanto, quanto a estas gentes que, desavergonhadamente, agitam a bandeira da incompe­tência e do oportunismo in­dividual e colectivo.
Ler mais


Reaprender a receber

No mês de Agosto, as nossas terras ganham um novo mo­vimento: regressam emigrantes, chegam familiares em gozo de férias e os residentes, esses, parece que mu­daram de residência, com mais compras a fazer, adapta­ção de espaços para que todos se sintam bem. Este é o ce­nário do que se vive no Minho interior.
Ler mais


Casamentos

Os último dados confirmam uma tendência dos últimos anos: os casamentos na Igreja estão em queda livre. São dados que não me suscitam apreensão e angústia. Claro que, como padre, gosto de ver os casais a abraçar o matrimónio da Igreja e constituirem uma família, mas prefiro que quem case na Igreja o faça bem, por poucos que sejam, do que termos muitos matrimónios celebrados sem espírito cristão e sem adesão aos valores e ensinamentos da fé cristã, num mero cumprimento cultural ou de tradição religiosa e social.
Ler mais


A tragédia que persegue a humanidade

A estabilidade é uma condição que permite olhar a realidade com confiança e objetividade permitindo, no âmbito social, da vida das famílias, criar linhas de orientação que ajudem a prosseguir o caminho do objetivo idealizado. Na sua realização, é fundamental o acesso a uma estrutura pública de apoio social diversificada, que assegure as condições necessárias na sua continuidade: o acesso à saúde, ao ensino, ao mercado de trabalho, à habitação, à segurança, a uma justiça acessível, são particularidades fundamentais. Os modelos de funcionamento institucionais, ainda que ajustados a conjunturas de desenvolvimento, ou à emergência de crises humanas ou ambientais, geradoras de incertezas que abalam a estabilidade das sociedades, deverão ser preservados e salvaguardados os seus princípios. Reconhece-se ser um processo de gestão e aplicação complexo que exige ética e responsabilidade de quem gere, executa e beneficia. A não aplicação destes princípios poderá afetar o acesso e a sua sustentabilidade.
Ler mais


Questões de educação… nas celebrações religiosas

Vivi, por estes dias, momentos quase-paradigmáticos de atitu­des de (não) educação nas ce­lebrações religiosas: pessoas pouco ou nada praticantes ‘par­ticiparam’ em missas domini­cais paroquiais – de jubileu de ca­samento, de um batizado e de primeira comunhão – no­tan­do-se pouca ou nenhuma ca­pacidade de saberem estar – em silêncio, com respeito e enquadrados nos atos... de fé e não meramente de festa.
Atendendo a que estas situa­ções se vêm a agravar, não só no tempo mas também nas atitudes, numa quase vulgariza­ção de boa parte do nosso ‘pú­blico’, ouso deixar algumas pistas de reflexão/inquietação, mesmo que os visados não leiam isto nem se importem com aquilo que desgraçadamente protagonizaram.
Ler mais


BICADAS DO MEU APARO

Eutanásia: medicamente assistida ou provocada?

Todo o homem tem o direito de ser feliz. Deus o criou por amor e ao querer que assim fosse proporcionou-lhe todos os meios para ser feliz. Todavia, Deus, proporcionando a felicidade, não prescinde de que o homem busque tal bem-estar. E uma das propostas que Deus faz ao homem é que ele faça felizes os outros e, automaticamente, sentirá felicidade.
Ler mais


Escolha dos melhores modelos

Quando pensamos fazer uma compra, detemo-nos quase inconscientemente no impacto que terá em nós e nos outros, uma “coisa nova”.
Se somos extravagantes, queremos o que choca, ou, pelo menos, chama a atenção. Se a simplicidade nos carateriza, a escolha torna-se fácil: só temos de escolher o que nos “fica bem”.
Ler mais


Clero de Vieira com menos um pároco

“O clero de Vieira do Mi­nho congratula-se com a nomeação dum novo pároco” (Rev.mo Padre Ricardo Azevedo), noticiava há um ano, por esta mesma data, com relevo de sua primeira página o O Jornal de Vieira”. Um ano depois, apetecia-nos escrever:
Ler mais


Sócrates

É sempre um bom dia para a democracia quando um ex-primeiro-ministro a contas com a Justiça se apresenta num posto da GNR para cumprir medidas de coação.
Ler mais


É mesmo incompetência!

Um país à deriva. Um barco a meter água e sem solução à vista. Poderia estar a exagerar se não fosse muito grave. Grávidas a chegar às urgências e não serem atendidas! Ser obrigadas a procurar outro hospital, como pedintes desesperados! Intolerável!
Intolerável também a culpa morrer solteira. Aliás, como (infelizmente) estamos habituados!
Ler mais