Editorial

Desapego

          

Gandhi, um não cristão, escreveu: “Podem desaparecer todos os livros da face da terra; só as Bem-Aven­tu­ranças ou o Evangelho Breve contém tudo o que faz falta na vida”
Neste Tempo da Quaresma somos interpelados ao desapego pela Mensagem do Sermão da Montanha onde se repete: ”Felizes, os puros de coração, felizes os misericordiosos, felizes os que têm fome e sede de justiça, felizes … os que por minha causa vos insultarem e perseguirem …pois será grande no Céu a vossa “recompensa” Mt.5,1-11
Onde mora então a felicidade? Aonde a vamos procurar se não no reino da mansidão e da paz, do real que parece absurdo por ser tão real e que paradoxalmente poderá parecer uma procura no reino da utopia - esta é por definição, o sítio “onde o que lá se imagina não pode acontecer por ser mero ideal”.


Muito se escreveu ao longo da história sobre o coração. Pascal afirmou mesmo que “o coração tem razões que a razão não entende ”para significar que o coração é o sítio da nossa sem ...

A sua assinatura expirou, ou não está autenticado!
Escolha agora uma assinatura; ou se é assinante, autentique-se para ler artigo completo.

Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário