Entrevistas

Feira da Ladra com “Os Anjos, Ana Malhoa, e Sons do Minho

Venham à festa, visitem Vieira de 11 a 14 de Outubro

          
Feira da Ladra com “Os Anjos, Ana Malhoa, e Sons do Minho

As tradicionais festas da Feiras da Ladra, que há mais de um século se realizaram, quase sempre no primeiro domingo de Outubro, e são o maior even­to do concelho, mais uma vez, por força das circunstâncias, foram adiadas para o segundo fim-de-semana deste mês, vindo a cair já em meados de Outubro.
A marcação de eleições legislativas para primeiro Domingo deste mês, obrigou ao seu adiamento para os dias 11 a 14, quatro dias festivos que terminam na segunda-feira com o Feriado Municipal.


A Feira da Ladra em Vi­ei­ra do Minho, que há 80 anos, quando começava a IIª Guerra Mundial, segundo a imprensa local da época, “se transformariam nas grandes festas do concelho”, eram realizadas por uma Comissão constituída por comerciantes da Velha Ver­nária e tinham um cartaz e orçamento bem mais re­­duzido do que os do sé­cu­lo XXI, em que a or­ga­ni­za­ção da Feira passou para a responsabilidade da Câ­ma­ra Municipal. Há 15 anos, na gestão do executi­vo PS, a Ladra custou à Au­tarquia 80 mil euros; há 10 anos (2009), já com um exe­cutivo social-democrata, o orçamento rondou os 60 mil. Segundo António Car­doso, presidente da Câ­mara Municipal, entidade or­­­ganizadora das festas, agora que a última empresa pública municipal foi ex­tin­ta, o orçamento da Ladra/2019 não ultrapassará os 60 mil euros.
Entrevistado pelo JV An­tónio Cardoso referiu a importância da Feira da Ladra, considerada como “o evento maior e de maior impacto comercial e turístico do concelho” justificando este investimento finan­cei­ro “que pode ser maior ou me­nor conforme o rendi­mento do “terrado” [aluguer do espaço comercial aos expositores e tendeiros] de fora do concelho, porque aos comerciantes vieiren­ses nada lhes é cobrado”.
António Cardoso sublinhou que “apesar da melhor situação do Município em termos financeiros, em 6 anos, a dívida do município foi reduzida para menos de metade, cifrando-se em 9 mi­lhões e 600 mil euros”, pelo que a contenção das despesas do seu executivo “continua a ser a palavra de ordem”.
A antiga contestação dos comerciantes da Vila, face “à colocação de tendas em frente dos seus estabelecimentos comerciais”, segundo o Presidente, “está re­sol­vida”. Quem optar por ter o seu comércio aberto nos dias da feira, não terá tendas em frente ao seu esta­ble­cimento.
A Praça Guilherme D‘ Abreu, a Praça do Bombeiro Voluntário e o Parque dos Moinhos, continuam a ser os locais destinados a espectáculos e bandas musicais, enquanto que os espaços da Feira Semanal es­tão reservados para feirantes e outras diversões. Aqui, a Polícia Municipal (PM) vai ter atenção especial aos utentes com a colocação dos seus espaços de diver­ti­­mentos. “Não haverá o perigo de danificar aquele espaço, recenteme­nte requa­li­­fi­cado, porque a PM tem indicações para alertar os feirantes, a quem será exigida uma caução que no final da Feira lhes será devolvida”.
Outros espaços como o Lar­go Prof. Brás da Mota e parque das traseiras do edifício onde se encontra a redacção do Jornal de Vieira, “cujas obras de requalifi­ca­ção não estarão concluídas antes da Feira da Ladra, não receberão, este ano, qual­­quer divertimento. Fu­tu­ramente, equacionar-se-á a colocação de divertime­n­tos naqueles espaços que aumentarão o parque de estacionamento e a melho­ria das acessibilidades aos espaços comerciais, bem co­mo à Casa de Lamas e Incubadora de Empresas, situada nas instalações da antiga Escola Primária”.
Questionado sobre a di­mi­nuição, de ano para ano, de forasteiros na Feira da La­­dra, António Cardoso diz não ter essa opinião. “A afluência de forasteiros aos eventos do Município têm vin­do a crescer de ano para ano. Pela ocupação dos lugares de estacionamento e pela diversificação dos locais de espectáculos [que se foram descentralizando desde o ano 2016], com as pessoas a dispersarem-se, podendo dar essa impressão que menos gente nos visita. Mas isso não é verdade.”
Referindo-se ao grande adiamento da data das Festas Concelhias que este ano “adiou a Ladra para mea­dos de Outubro”, An­tó­nio Cardoso justificou que “o Executivo decidiu pelo seu adiamento e não pela an­tecipação, que colidiria com as festas de S. Miguel em Cabeceiras de Basto. “Se não adiássemos, no domingo das eleições, em que muitos tem de estar nas mesas de voto e outros a votar, não poderiam parti­cipar no cortejo etnográ­fico. Se o tempo ajudar vamos ter muita gente na Feira da La­dra para verem os nossos grupos musicais, ranchos folclóricos, bandas de música e os cabeças de cartaz “Os Anjos, Ana Ma­lhoa e Sons do Minho”.
Também “as chegas de bois”, que chegaram há qua­­­se duas décadas à Feira da Ladra e ficaram, e ago­ra, “todas com animais criados no concelho de Vi­eira do Minho, são parte do programa que todos os anos atrai milhares de afi­cio­­­nados, ao Parque dos Moinhos”.
Igualmente o turismo e a gastronomia, “bandeiras do desenvolvimento económico do concelho”, António Car­­­doso espera que nesse fim-de-semana as 220 casas de Turismo de Habitação Espaço Rural, com cerca de mil camas, fiquem todas ocupadas, como aconteceu na passada época al­ta do Verão”. Também, se­gun­do o edil municipal, Eng. António Cardoso, o bar­co Brancelhe, ao contrário do que alguns dizem, “tem tido neste Verão muita procura por parte dos turistas que nos visitam” e começou, finalmente a “ope­­­rar na albufeira da Ca­ni­çada com todas as licenças”.
Referindo-se ainda à si­tua­­ção do antigo quartel dos bombeiros, à entrada da vila, e cujo espaço havia sido licenciado para cons­­­­trução de uma superfí­cie comercial, foi dada via­bili­­dade de alteração de utilização do edifício com outra finalidade, que será a úl­tima dada por este Execu­tivo, e tem um prazo de execução, tendo tido a Câmara um papel preponderante na negociação e ocupação daquele espaço, que finalmente parece ter chegado a bom porto”.
António Cardoso deixou uma mensagem aos muitos vi­eirenses, forasteiros e emi­­grantes que nestes dias vi­sitam Vieira do Minho. “Ve­­nham à festa, visitem Vi­eira por ocasião da Feira da Ladra. Apreciem as suas be­las paisagens e conheçam as tradições, saboreiem a gastronomia que é da melhor qualidade”.
2019-10-07


Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário