Reportagem

Arcebispo de Braga apresentado como um «semeador da alegria e da unidade»

          
Arcebispo de Braga apresentado como um «semeador da alegria e da unidade»

No aniversário da to­ma­da de posse da Ar­qui­­­dio­cese de Braga (há 20 anos), do actual arcebispo, na sacristia da Sé Catedral de Braga, foi apresentado o livro “Dom Jorge Orti­ga – Se­meador da alegria e da unidade” que re­­gistou a presença de um pouco mais de meia centena de pessoas que saudaram D. Jorge e lhe cantaram os pa­rabéns pe­­los 20 anos de Arce­bis­po de Braga.


“Uma pessoa que ganhou notoriedade nos últimos anos, tem um percurso de vida e pastoral muito grande, que tem sido acom­panhado por algumas pessoas, mas muitas não conhecem. Pode ser muito in­­teressante e rico conhecer e pode influenciar muitos a quererem encontrar o seu caminho e a fazer um ca­minho na linha do D. Jorge”, explicou o jornalista Ri­cardo Perna.
O livro, editado pela Pau­lus, tem “capa dura”, 176 pá­­­ginas, prefácio do Cón. Jo­­ão Aguiar, introdução e en­trevista por Ricardo Perna que em 100 páginas, ocupa a maior parte da obra, e que conclui com o tes­­­temunho de 8 bispos, que foram auxiliares de D. Jorge, e uma memória foto­gráfica, desde o 3º ano do seminário aos 75 anos de vida.
É uma homenagem ao “bis­po que há mais tempo es­­tá em funções em Portugal”, mas o autor sublinha que “é oportunidade” de dar a conhecer “uma figura que po­de não ser tão conhecida em virtude do seu longo percurso”, refere o autor da obra, Ricardo Perna.
O jornalista conta que, no tra­balho de pesquisa para a entrevista do livro, conversou com pessoas da arqui­dio­cese que “ajudaram a con­textualizar a vida e a obra” do arcebispo e “por­me­­­nores mais antigos, até mesmo da infância”. Agra­de­­ceu a D. Jorge as respostas sinceras, em directo, à en­­­trevista que considerou um “trabalho em equipa” em que percebeu a vida “ex­tra­or­­­dinária” de D. Jorge.
“Foi uma agradável des­co­­berta de uma figura que soube aproveitar as divinas coincidências que se lhe fo­ram pondo na sua vida”, acrescentou sobre “um tes­te­munho de riqueza muito grande”.
D. Nuno Almeida, bispo au­xiliar de Braga, fez a apre­­­­sentação da obra, co­me­­çando por recordar que participou na eucaristia da or­­denação episcopal de D. Jor­ge e que então “não po­de­ria imaginar que, passados tantos anos, viveria na mesma casa, partilhando o mesmo projecto pastoral” do arcebispo de Braga. “Nes­­­tes três anos temos vivido em comunhão efectiva e afectiva”, disse D. Nuno que sublinhou a “proximidade” do arcebispo D. Jorge, em especial “dos sacerdotes” que conhece e “chama a todos pelo seu nome”.
“É um pastor próximo das ove­lhas que tem marcado pe­lo exemplo e pela maneira de ser e estar”. É muito in­­teressante observar os textos que os bispos auxi­lia­­­res enviaram, que hoje são titulares das principais dio­ceses em Portugal, re­ve­­lam uma influência muito grande da personalidade de D. Jorge”, explicou o mo­derador da apresentação do livro, cónego João Aguiar de Campos que assina o prefácio.
D. Jorge Ortiga, antes de conceder autógrafos aos compradores do livro, agra­de­­ceu a homenagem e fez alguns alertas pra os pro­ble­­mas que dominam a actua­­lidade política econó­mi­ca e social identificados no pro­jecto “Nova Ágora”. “Não podemos apenas en­si­­nar o Credo”. “Temos de es­tar atentos a outras reali­da­des” sempre presentes, tais como “a corrupção, os po­pulismos e a imigração”, disse o Arcebispo Primaz.
2019-07-30


Comentários

  Comentar artigo

Nome

Email

Comentário