Do Cávado ao Ave

RUIVÃES

Vieira desvaloriza Ruivães

          

Esta afirmação, sem ferir sus­ceptibilidades, tem a sua ra­­zão de ser, até porque fe­re os sentimentos dos rui­va­nenses que não gostam de ver a sua terra me­nospreza­da nos seus valores históricos e de identidade, menos ainda por quem tem obrigação de os defender.
Um exemplo disso foi um ar­tigo publicado no Jornal de Vi­eira, na edição de 1 de De­zembro de 2018 na última pá­­­gina e destacado a azul, em que se faz uma resenha da “História do concelho de Vi­eira do Minho”.
Aí se faz referencia às fre­guesias que integram o Con­celho, onde se valoriza as que estão agraciadas com “Carta de Foral”, mas no que toca a Ruivães, lamentavelmente não mereceu o mesmo tratamento.
È frequente isso acontecer, não sei se trata de igno­rância ou má vontade, mas neste caso a omissão de Rui­vães como também de­ten­tor de Carta de Foral é imper­doá­­vel, tão só porque a esta vila foi concedida a que é a mais antiga do Concelho.


Efectivamente, em 27 de Ju­­­lho de 1363, D. Pedro I (O justiceiro), atribuiu a “Vi­lar de Va­cas” (assim se cha­ma­va Rui­vães à época), a sua Car­ta de Foral, por se tra­tar de u ...

A sua assinatura expirou, ou não está autenticado com o seu login e password!
Clique para escolher uma assinatura; ou no caso de já ter uma assinatura por favor autentique-se com o seu login e password.


Comentários

Comentar esta notícia

Nome

Email

Comentário


Verificação de palavras
Escreva os caracteres que vê abaixo
D99VN


    

Olá Quim Barros! Subscrevo a indignação e que seja feito o respectivo reparo por quem de direito. Só quem não lê o própria Bibliografia Vieirense, na Obra "Património Arquitetónico e Paisagístco de Vieira do Minho" entre outras Obras. Lá se descreve a História da mui nobre Vila de Ruivães, tal qual aqui mencionas no artigo. Não acredito na ignorância de quem escreveu. Estou mais do lado dos críticos para dizer que Ruivães só não é Vila porque quem nos representa não apresenta fundamentadamente os seus argumentos, com conhecimento de quem sabe o que tem e aonde. Vieira não é tão erudita ou ignorante ao ponto de se "esquecer que Ruivães existe". Só que começa logo por nunca terem tido no Concelho uma cátedra de "Monsenhor"! Não engoliram isso! Depois, um Quartel dos Bombeiros - que se mantêm fechado "por retaliação" , com o argumento de não haver verbas -. Façam menos festanças e canalizem verbas para a segurança das pessoas. Nunca aceitaram que de Ruivães saíssem valores profissionais de grande vulto(tivemos os melhores médicos e melhores professores; temos os melhores enfermeiros e outras profissões que deram cartas e dão a Vieira pela sua competência. Só porque são fouxas as pessoas que nos representam, pensam que podem "esquecer quem tem uma gloriosa história que está à vista de todos". Se não me engano foi assim com Rossas, quando esta localidade foi elevada a Vila (um burburinho que Deus nos livre). Quem é que tem uma IPSS das melhores do Concelho; temos uma Casa Paroquial das melhor do Concelho;tivemos Colégio, Telescola, Correio, tudo... Aos poucos, Vieira foi sunegando a Ruivães aquilo que é seu. Mas como está bem dito: mais tarde ou mais cedo a verdade acaba por impor-se. Espera-se que quem nos representa seja mais combativo e frontal e menos "a estender tapete a quem não o merece". Adolar incompetentes é uma atitude débil e que não nos é própria nem nos caracteriza. Sempre tivemos homens e mulheres de valor no passado e no presente, e não será por um "qualquer resquício invejoso" que podem anular tudo quanto é nosso. Se não gostam, comam menos ou nada. Mas se gostam, amem, valorizem e preservem sem politiquices. Parabéns pelo artigo! Manda sempre mais. Nunca será de mais! Abraço
ejsnortenha@sapo.pt
ermelinda
2019-02-15